quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

O que é ser feminista?

"Costumo dizer e pensar que, somente existem dois tipos de mulheres. As fortes e as que ainda não descobriram sua força. Anelo que o MAIOR objetivo das primeiras seja ajudar as outras a se descobrirem. EMPODERE suas irmãs!!!" (Waceila Miranda)

Para iniciar meu texto afirmo que nós mulheres precisamos encontrar essa força mencionada, todas nós a temos, embora às vezes não percebamos, e é ela que nos faz seguir mesmo: quando temos que dar conta de todos os afazeres domésticos e profissionais sem enlouquecer, ou quando temos que deixar nossos filhos com algum conhecido ou estranho para darmos sequência a nossa vida profissional, ou quando lidamos com homens abusivos em casa ou no ambiente de trabalho, ou, ainda, quando somos subjugadas por essa sociedade machista e patriarcal.

Em pleno ano de 2017 há quem pense que ser feminista é ferir com a moralidade, mas, nada mais é que lutar pelos direitos civis das mulheres do nosso país e mundo. Lutamos através de manifestações, discussões e promoção de debates sociais pela igualdade em nossa sociedade. Não queremos provar que somos melhores que os homens, apenas ansiamos que estes respeitem nossas escolhas e nossos corpos. As mulheres ainda sofrem diversas situações de violência como, por exemplo, ser obrigada a manter relações sexuais com seu parceiro, ou ter seus direitos de ir e vir privados por conta de um relacionamento abusivo, estes que para a sociedade parece algo normal numa relação, mas não é!

Frases prontas como: "Ela não quer ter filhos? Que absurdo!" ou "Claro que o marido ia abandoná-la, ela não é boa dona de casa", ou "Você precisa aprender a cozinhar, não quer casar?" ou "Mulher só quer saber de dinheiro de homem" e blá blá blá...já ouvi e ouço muitas frases como estas, que só servem para me mostrar que a cultura machista está aí presente, perpetuada por homens e mulheres que ainda acreditam que lugar de mulher é na beira do fogão, e que se sofremos algum abuso somos as culpadas.

Ser feminista não quer dizer que odiamos os homens ou crianças, ou que não temos religião. Somos esposas, mães e filhas, e buscamos através de nossa luta a garantia de que nossa descendência não cresça acreditando que somente mulheres bem sucedidas e realizadas são aquelas que têm um marido para administrá-las ou uma casa cheia de filhos para lhes tomar o tempo. Lutamos para que todas as mulheres sejam respeitadas: sejam elas hétero, trans, homo, branca, preta, amarela, espirita, cristã, bruxa, gorda, magra, etc e tal, o importante é que todas nós tenhamos nossos direitos garantidos, assim como qualquer ser humano.

Antes de julgar as mulheres feministas, lembre-se que elas sempre lutaram para que você tivesse hoje o direito:
. sobre seu filho;
. ao voto e participar da vida política de seu país;
. a se casar com quem quiser e se quiser;
. de acionar a polícia caso venha sofrer violência doméstica;
. ao trabalho com salários dignos e iguais a dos homens;
. à licença maternidade, entre outros.

Sabemos que a luta será constante, que causaremos estranheza e desconforto, mas é isso que nos motiva a continuar.

Um abço a tod@s.
Por Priscila Messias