sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Todo brasileiro tem sangue crioulo...

Você ri da minha roupa
Você ri do meu cabelo
Você ri da minha pele
Você ri do meu sorriso...
(Olhos coloridos - Sandra de Sá)

Hoje quero falar de algo que, talvez pra algumas pessoas, possa parecer bobo, mas que diz muito sobre uma mulher e pode refletir em sua auto-estima: o cabelo.

Todas as mulheres, em todas as culturas, dão valor aos seus cabelos, e ter um cabelo bonito é muito importante para todas nós. Muitas mulheres que perderam suas madeixas por conta de tratamentos médicos, precisam do apoio de amigas e familiares para que superem a depressão que a sua nova aparência possa causar.

Mas o grupo de mulheres que sempre sofreu com a questão dos cabelos é o das mulheres negras, com seus cabelos crespos e volumosos. Eu venho de uma família de "sangue crioulo" e como herança genética, além do charme e sorriso largo, herdei traços negros como o cabelo. Sempre sofri por ter o cabelo "ruim" e me lembro de tê-los muito "armados" e volumosos quando criança, e a partir da adolescência mantidos alisados com produtos químicos fortíssimos para que eu pudesse estar ajustada aos padrões de beleza impostos, ou seja, o meu cabelo "duro" não era bonito e isso precisava ser corrigido.

Hoje, existe um grande movimento do resgate da valorização da cultura e características do negro, e temos vistos muitas mulheres e homens assumindo seus cabelos com orgulho e atitude. E observando isso, me pus a pensar, se sou uma mulher tão resolvida, por que não assumo essa minha característica? Sempre adiei essa transição dos cabelos alisados para os cachos porque não fazia ideia de como eles ficariam, mas tomei coragem e decidi: chega de alisamentos químicos, vou deixar meus cabelos serem o que eles foram feitos para ser, cabelos negros!

Precisamos quebrar os estigmas de que ser negro é ruim e que ter cabelos crespos e volumosos é feio, quem impôs isso foi a cultura européia escravocrata que sempre dominou um grupo social que tem um grande poder, mas que vem sido massacrado há séculos. Somos maioria nesse país, quem dirá no mundo, e deixamos que os padrões brancos da pele rosada e cabelos lisos destruam nossa auto-estima.

Estou no processo de mudar meu conceito e aceitar a beleza das minhas características negras, e agradeço a tod@s que demonstraram atitude, que lutam por essa valorização e mudança de perspectiva em relação ao negro mesmo sem se dar conta de que é um militante por essa causa. Ser negro é ser lindo!

Abço a tod@s
Por Priscila Messias
Postar um comentário